Cristo, Bom Pastor, modelo para os presbíteros

No quarto domingo da Páscoa, celebramos a festa de Jesus Cristo Bom Pastor – esse ano 17 de abril. É também nesse dia que celebramos o dia da Jornada mundial de oração pela vocações presbiterais e religiosas.

Hoje rezamos pelos padres, de modo especial pelos padres diocesanos, pelo seu

ministério de pastores, de colaboradores do bispo no trabalho de apascentar o rebanho do Senhor.

O Bom Pastor é modelo para todos os padres, pois, pelo Sacramento da Ordem, os presbíteros são configurados a Jesus Cristo, Cabeça e Pastor da Igreja, como seus ministros. São chamados a crescer em perfeição, mediante a exortação do Senhor: “Sede, pois, perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48), fazendo-se instrumentos vivos de Jesus, o Bom Pastor, e continuando a sua obra e missão no mundo. É, sobretudo, na missa que os padres fazem às vezes de Cristo, oferecendo ao Pai o sacrifício perfeito e santo na obra da redenção e alimentado a si mesmo e ao povo da Palavra e da Eucaristia.

Jesus, que se fez servo de todos e se entregou como vítima para a santificação dos seres humanos, chama os seus ministros a imitá-Lo e atualizar o seu ensinamento nos dias de hoje e nos desafios atuais. Esse exercício de entrega e serviço aos irmãos é denominado “caridade pastoral”. Jesus, que se auto apresentou como “o Bom Pastor” (Cf. Jo 10,11), manifestou sua caridade pastoral em seus gestos e atitudes tendo compaixão das pessoas cansadas e sobrecarregadas assegurando-lhes descanso e alivio (Cf. Mt 11,28); procurou as ovelhas perdidas, deixando as noventa e nove em segurança e indo atrás da que faltava (Cf.Mt 18,12); defende-as e conhece a cada uma pelo nome (Cf. Jo 10,27), consciente de suas necessidades. Dessa maneira, pela própria consagração a Jesus, os presbíteros são chamados a viver a caridade pastoral em seu ministério, identificando-se, assim, com o seu Senhor.

O fundamento da caridade pastoral é o dom de si mesmo à Igreja e aos irmãos a exemplo de Cristo Jesus (Cf. Pastores Dabo Vobis, 23). Todo trabalho pastoral dos presbíteros, de modo especial dos padres diocesanos, por virtude do seu próprio carisma do Bom Pastor, denota esse belo e valioso serviço: o atendimento às pessoas, as confissões, as visitas em casas e hospitais, as bênçãos diversas, as exéquias, as iniciativas de trabalho social nas paróquias, a pregação da Palavra de Deus, a administração dos sacramentos, a celebração da Santa Missa e todo trabalho pastoral.

Portanto, rezemos pelos padres e pelas vocações sacerdotais. Que a entrega da sua vida a Deus resplandeça a face misericordiosa de Cristo, Bom Pastor, no autêntico exercício da caridade pastoral nos diversos âmbitos da Igreja e da sociedade, e que Deus envie, cada vez mais, operários à sua messe (Cf. Mt 9,38).

Confira na íntegra o Bio de abril

Por Pe. Marcelo Lima





ComVocação

ComVocação